Se você faz parte do grupo de pessoas que adora espremer espinhas, precisa rever esse hábito agora mesmo. Por maior que seja a tentação de se livrar daquele pontinho de inflamação na pele, é preciso resistir ao desejo de estourá-lo com as mãos.

Além de não resolver o problema, o ato de espremer a espinha pode piorar o quadro e deixar marcas permanentes. Não está convencido ainda? Continue lendo nosso post e descubra boas razões para não tocar nas espinhas!

O que são espinhas?

Nossa pele é dotada de poros por onde as glândulas sebáceas naturalmente secretam o sebo. Essa substância oleosa tem como função lubrificar e evitar o ressecamento cutâneo.

As espinhas surgem quando há uma superprodução de sebo aliada ao entupimento dos canais por onde ele deveria ser eliminado. Dessa forma, é criado um ambiente favorável à proliferação de bactérias que infectam e inflamam a região.

Embora o problema seja mais comum na puberdade, as espinhas também podem atingir adultos com mais de 25 anos. A acne do adulto pode ser desencadeada por diversos fatores. Entre eles, podemos destacar:

  • desequilíbrio hormonal;
  • alimentação inadequada;
  • uso de cosméticos inapropriados ao tipo de pele;
  • reação adversa a medicamentos.

Por que não devemos espremer espinhas?

Sabemos que as espinhas incomodam e que a tentação para se livrar delas é grande. Não é à toa que tantos vídeos de pessoas espremendo cravos e espinhas fazem um enorme sucesso na internet.

Porém, há várias razões para você abolir essa prática da sua vida. Veja por que espremer espinhas não é uma boa ideia:

O risco de inflamação é grande

Quem espreme uma espinha busca se livrar da inflamação. Porém, muitas vezes, observamos o efeito oposto. Para forçar a saída do pus, é feita uma pequena ferida na pele.

Através desse machucado, podem entrar outras bactérias que estejam nas mãos (principalmente sob as unhas) ou nas áreas ao redor da espinha, agravando o quadro inicial.

A prática deixa cicatrizes

Ferir a pele para acabar com uma espinha causa lesões que deixam marcas permanentes. Para se livrar dessas cicatrizes no futuro, será preciso recorrer a tratamentos como o microagulhamento ou o peeling.

A espinha pode piorar

Ao manipular uma espinha, podemos mexer em camadas mais internas da pele e fazer com que a infecção se espalhe por regiões que nem conseguimos enxergar. Ao pressionar uma espinha, as bactérias atingem inadvertidamente áreas mais profundas, agravando e prolongando o inchaço e a vermelhidão.

Além disso, podem surgir cistos rígidos e dolorosos, que incomodam e persistem mais do que a espinha inicial. A inflamação mais profunda também favorece a hiperpigmentação, deixando manchas escuras que podem levar anos para desaparecer.

As bactérias atingem regiões saudáveis da pele

Além de pus, as espinhas contêm células da pele mortas e bactérias. Assim, ao espremê-las, você espalha os microrganismos pelas regiões adjacentes. Dessa forma, eles entram em contato com outros poros e podem causar novas lesões na pele.

O problema não é resolvido

Quem deseja se livrar de vez das espinhas deve atacar suas causas, evitando com que novos pontos de inflamação apareçam. Espremer a espinha pode até causar um alívio momentâneo, mas o risco de aumentar a inflamação ou deixar marcas permanentes é muito grande.

Podem surgir complicações graves

Em pessoas saudáveis, os riscos mais comuns de espremer uma espinha são infecções superficiais e cicatrizes. Porém, indivíduos com o sistema imunológico enfraquecido podem desenvolver infecções persistentes do tecido subcutâneo.

Por exemplo: quando as espinhas são no rosto, as bactérias podem atingir o globo ocular, causando cegueira, ou os nervos, levando à paralisia. Se não houver tratamento adequado, os microrganismos podem se espalhar por todo o corpo. Com isso, órgãos vitais podem ser atingidos e há risco até mesmo de morte.

O que acontece com uma espinha que não é espremida?

Uma espinha simples que não seja manipulada tende a desaparecer em até uma semana. Esse é o tempo que o organismo leva para combater a infecção e reabsorver todo o conteúdo branco que estava ali aprisionado.

Entretanto, espinhas maiores, nódulos e cistos precisam de um tratamento especializado que pode envolver cremes, injeções ou medicamentos orais, e que só pode ser prescrito por um médico.

Usar cosméticos para esconder a espinha pode obstruir ainda mais os poros e piorar a inflamação. Por isso, o ideal é deixar a espinha “respirar” e redobrar os cuidados com a higienização da pele.

Como combater a acne?

Sabemos que há muitas receitas caseiras para combater as espinhas. Entretanto, não existem comprovações científicas de que elas realmente funcionem. Pelo contrário: algumas fórmulas tidas como milagrosas podem causar mais irritação e agravar o quadro.

Assim, não importa se as espinhas incomodam você com maior ou menor frequência. O ideal é que você busque um dermatologista para avaliar as melhores opções de tratamento para o seu caso. Afinal, somente um médico pode prescrever produtos com princípios ativos eficazes para deixar sua pele lisa e livre da acne.

Para combater e prevenir espinhas, é possível que seu médico recomende:

  • limpar a pele com um sabonete anti-acne ao acordar e antes de dormir;
  • utilizar protetor solar e outros dermocosméticos livres de óleo;
  • usar loções adstringentes, caso sua pele seja oleosa;
  • aplicar géis ou cremes contendo substâncias que ajudam a secar as espinhas;
  • esfoliar a pele periodicamente.

A limpeza de pele com um profissional também pode ser recomendada pelo seu dermatologista. Entretanto, quando há muitos pontos de inflamação na pele, a prática é contraindicada. Nesse caso, podem ser prescritos medicamentos para uso oral para tratar o problema.

Portanto, a limpeza de pele somente deve ser considerada após a melhora da acne ativa. Ela deve ser feita sempre com equipamentos esterilizados e utilizando técnicas eficientes para a remoção de cravos e desobstrução dos poros.

Pronto! Agora, você já sabe por que não deve espremer espinhas e o que é preciso fazer para tratá-las de forma segura e eficiente. Além dos cuidados com a pele, adotar uma alimentação balanceada e praticar exercícios físicos regularmente também contribui para melhorar o aspecto da acne (e melhora sua saúde de forma geral).

Gostou deste conteúdo? Que tal saber mais sobre a acne da mulher adulta? Aproveite para visitar o nosso site e conhecer os nossos perfis nas redes sociais. Estamos no Facebook e Instagram.

Autor

Escreva um comentário

Agende sua consulta
Share This