O colágeno é a proteína mais abundante do nosso organismo. A partir dessa informação, já é possível perceber como ele é importante, não é mesmo? Os diferentes tipos de colágeno atuam na manutenção da estrutura de diversos tecidos, incluindo a pele, os osso e as cartilagens.

A partir dos 30 anos, nosso corpo perde gradativamente a capacidade de produzir novas moléculas de colágeno. Os efeitos dessa redução podem ser vistos na pele, uma vez que o tecido perde sua sustentação e se torna flácido e com rugas. Assim, para retardar o envelhecimento, é importante buscar alternativas para repor o colágeno perdido.

Para descobrir um pouco mais sobre a proteína número 1 do nosso corpo e o que fazer para realizar sua reposição de forma eficiente, acompanhe este post! 

O que é o colágeno?

O colágeno é sintetizado dentro de alguns tipos celulares e exportado para fora das células, sendo a principal proteína estrutural presente no espaço extracelular. Ele é produzido na forma de filamentos que se unem, formando feixes e fibras.

Ele é constituído, majoritariamente, por dois aminoácidos principais: a glicina e a prolina. Outro componente essencial de seu processo de produção é a vitamina C, que atua como cofator em processos enzimáticos importantes.

Assim, para garantir a produção natural do colágeno, é importante ingerir essas substâncias em boas quantidades. Isso pode ser conseguido tanto por meio da alimentação quanto pelo uso de suplementos alimentares.

Quais são os principais tipos de colágeno?

O colágeno está presente não apenas no nosso organismo, mas também em outros animais. Até o momento, já foram observados 28 tipos de colágeno — essa classificação depende do tamanho e da estrutura que cada um deles forma. 

No mercado, há diversos produtos destinados a repor o colágeno. Por isso, é importante conhecer quais são os tipos disponíveis para identificar qual deles é o mais recomendado para cada situação. Veja! 

Tipo I 

É o colágeno mais abundante do nosso corpo. Ele pode ser encontrado na pele, tendões, cartilagens fibrosas, ossos e ligamentos. Suas moléculas se organizam em feixes e fibras, conferindo estrutura aos diferentes órgãos e tecidos. 

Tipo II

Essa proteína é produzida pelos condrócitos, células presentes nas cartilagens. Assim, sua reposição tem como objetivo aliviar os sintomas de doenças articulares, reduzindo a inflamação e melhorando a mobilidade.

UC-II

É o colágeno tipo II extraído do osso esterno do frango. Seu método de purificação dá origem a uma proteína não desnaturada e com atividade biológica preservada. Ele é encontrado em suplementos para a saúde das articulações e atua prevenindo o ataque autoimune às cartilagens.

Diversas condições médicas podem ser amenizadas por meio da suplementação com colágeno UC-II. Entre elas, podemos destacar:

  • artrite e artrose;
  • artrite reumatoide;
  • poliartrite reumatoide juvenil;
  • lesões articulares e das cartilagens.

Desnaturado

Trata-se do colágeno que passou por um processo capaz de desfazer as fibras e feixes, mas que mantém as cadeias individuais da proteína intactas. A gelatina é um exemplo de colágeno desnaturado que pode ser facilmente consumido. 

Hidrolisado

O colágeno hidrolisado é aquele que passou por um processo químico e enzimático que o quebra em fragmentos menores. Dessa forma, ele é absorvido com mais eficiência pelo nosso organismo.

O uso do colágeno hidrolisado traz diversos benefícios, entre eles:

  • melhora da firmeza da pele;
  • fortalecimento das unhas e cabelos;
  • retardo do envelhecimento;
  • potencialização do tratamento da osteoporose;
  • controle da pressão arterial.

Quais são as melhores formas de consumi-lo?

Atualmente, o colágeno pode ser encontrado em diversos produtos, tais como cremes de tratamento, cápsulas e pós com ou sem sabor. Entretanto, o colágeno é uma molécula muito grande e não consegue penetrar na pele. Por isso, utilizá-lo na forma de creme não é eficiente para restaurar o conteúdo original da proteína.

A melhor forma de repor o colágeno perdido com o tempo é a partir da sua ingestão. Porém, devemos ressaltar que ele não é incorporado de forma intacta na pele ou outros tecidos. No entanto, ele fornece os aminoácidos essenciais para sua produção pelos diferentes tipos celulares, permitindo a sua reposição de dentro para fora.

Veja, a seguir, as principais formas de aumentar sua produção de colágeno.

Alimentação

Os alimentos ricos em proteínas são boas fontes de aminoácidos que atuam na síntese de colágeno. Algumas sugestões para você incluir na sua dieta são:

  • carnes vermelhas, de aves e peixes;
  • ovos e laticínios;
  • gelatina;
  • grãos;
  • vegetais de cor verde-escura.

Colágeno em cápsulas

A forma mais simples de ingerir o colágeno é por meio de cápsulas contendo a substância. Basta tomar diariamente a quantidade recomendada pelo seu médico e observar os resultados.

Colágeno em pó

Além dos benefícios que já citamos, o consumo de colágeno em pó é uma ótima opção para ajudar na saciedade e inibir a fome. Uma dica é dissolver o pó em suco de laranja ou limão e deixar a suplementação ainda mais eficiente. 

Como potencializar a ação do colágeno?

Embora o consumo de colágeno e outras proteínas seja importante para garantir uma pele mais firme e jovem por mais tempo, diversos outros hábitos podem ajudar você a driblar os efeitos do tempo. Confira algumas dicas!

Não deixe os nutrientes essenciais de lado

Como vimos, o organismo necessita de outros nutrientes para garantir a produção natural de colágeno. Entre elas, a vitamina C é o que merece maior destaque. Porém, diversos outros nutrientes contribuem para a saúde da pele.

É o caso, por exemplo, da vitamina E, que acelera os processos de cicatrização. Para otimizar tanto a saúde quanto a beleza, o importante mesmo é adotar uma alimentação equilibrada.

Beba muita água

A desidratação é um problema de saúde que reflete também na pele. Na falta de água, a elasticidade e o brilho se perdem. Para evitar que isso aconteça, basta ingerir muita água diariamente.

Aposte em cremes faciais

O colágeno não é absorvido pela pele, mas diversos tipos de cremes faciais são importantes para prevenir o aparecimento de manchas, rugas e linhas de expressão. O principal deles é o protetor solar, um item essencial na prevenção ao fotoenvelhecimento.

Quando o assunto é frear os efeitos do tempo, não podemos nos esquecer dos cremes anti-idade. Eles devem ser usados a partir dos 20 anos, mesmo que não haja sinais de danos, uma vez que eles têm ação preventiva.

Pronto! Agora, você já sabe quais são os principais tipos de colágeno e conhece sua importância para a manutenção da firmeza da pele. Com os cuidados adequados, é possível ter um pele jovem e saudável por muito mais tempo.

Este post foi útil? Então, conheça o nosso site e assine nossa newsletter para receber conteúdos relevantes como esse diretamente no seu e-mail!

Autor

Escreva um comentário

Agende sua consulta
Share This