Category

Curiosidades

Category

Por que não devemos espremer espinhas? Entenda!

Se você faz parte do grupo de pessoas que adora espremer espinhas, precisa rever esse hábito agora mesmo. Por maior que seja a tentação de se livrar daquele pontinho de inflamação na pele, é preciso resistir ao desejo de estourá-lo com as mãos.

Além de não resolver o problema, o ato de espremer a espinha pode piorar o quadro e deixar marcas permanentes. Não está convencido ainda? Continue lendo nosso post e descubra boas razões para não tocar nas espinhas!

O que são espinhas?

Nossa pele é dotada de poros por onde as glândulas sebáceas naturalmente secretam o sebo. Essa substância oleosa tem como função lubrificar e evitar o ressecamento cutâneo.

As espinhas surgem quando há uma superprodução de sebo aliada ao entupimento dos canais por onde ele deveria ser eliminado. Dessa forma, é criado um ambiente favorável à proliferação de bactérias que infectam e inflamam a região.

Embora o problema seja mais comum na puberdade, as espinhas também podem atingir adultos com mais de 25 anos. A acne do adulto pode ser desencadeada por diversos fatores. Entre eles, podemos destacar:

  • desequilíbrio hormonal;
  • alimentação inadequada;
  • uso de cosméticos inapropriados ao tipo de pele;
  • reação adversa a medicamentos.

Por que não devemos espremer espinhas?

Sabemos que as espinhas incomodam e que a tentação para se livrar delas é grande. Não é à toa que tantos vídeos de pessoas espremendo cravos e espinhas fazem um enorme sucesso na internet.

Porém, há várias razões para você abolir essa prática da sua vida. Veja por que espremer espinhas não é uma boa ideia:

O risco de inflamação é grande

Quem espreme uma espinha busca se livrar da inflamação. Porém, muitas vezes, observamos o efeito oposto. Para forçar a saída do pus, é feita uma pequena ferida na pele.

Através desse machucado, podem entrar outras bactérias que estejam nas mãos (principalmente sob as unhas) ou nas áreas ao redor da espinha, agravando o quadro inicial.

A prática deixa cicatrizes

Ferir a pele para acabar com uma espinha causa lesões que deixam marcas permanentes. Para se livrar dessas cicatrizes no futuro, será preciso recorrer a tratamentos como o microagulhamento ou o peeling.

A espinha pode piorar

Ao manipular uma espinha, podemos mexer em camadas mais internas da pele e fazer com que a infecção se espalhe por regiões que nem conseguimos enxergar. Ao pressionar uma espinha, as bactérias atingem inadvertidamente áreas mais profundas, agravando e prolongando o inchaço e a vermelhidão.

Além disso, podem surgir cistos rígidos e dolorosos, que incomodam e persistem mais do que a espinha inicial. A inflamação mais profunda também favorece a hiperpigmentação, deixando manchas escuras que podem levar anos para desaparecer.

As bactérias atingem regiões saudáveis da pele

Além de pus, as espinhas contêm células da pele mortas e bactérias. Assim, ao espremê-las, você espalha os microrganismos pelas regiões adjacentes. Dessa forma, eles entram em contato com outros poros e podem causar novas lesões na pele.

O problema não é resolvido

Quem deseja se livrar de vez das espinhas deve atacar suas causas, evitando com que novos pontos de inflamação apareçam. Espremer a espinha pode até causar um alívio momentâneo, mas o risco de aumentar a inflamação ou deixar marcas permanentes é muito grande.

Podem surgir complicações graves

Em pessoas saudáveis, os riscos mais comuns de espremer uma espinha são infecções superficiais e cicatrizes. Porém, indivíduos com o sistema imunológico enfraquecido podem desenvolver infecções persistentes do tecido subcutâneo.

Por exemplo: quando as espinhas são no rosto, as bactérias podem atingir o globo ocular, causando cegueira, ou os nervos, levando à paralisia. Se não houver tratamento adequado, os microrganismos podem se espalhar por todo o corpo. Com isso, órgãos vitais podem ser atingidos e há risco até mesmo de morte.

O que acontece com uma espinha que não é espremida?

Uma espinha simples que não seja manipulada tende a desaparecer em até uma semana. Esse é o tempo que o organismo leva para combater a infecção e reabsorver todo o conteúdo branco que estava ali aprisionado.

Entretanto, espinhas maiores, nódulos e cistos precisam de um tratamento especializado que pode envolver cremes, injeções ou medicamentos orais, e que só pode ser prescrito por um médico.

Usar cosméticos para esconder a espinha pode obstruir ainda mais os poros e piorar a inflamação. Por isso, o ideal é deixar a espinha “respirar” e redobrar os cuidados com a higienização da pele.

Como combater a acne?

Sabemos que há muitas receitas caseiras para combater as espinhas. Entretanto, não existem comprovações científicas de que elas realmente funcionem. Pelo contrário: algumas fórmulas tidas como milagrosas podem causar mais irritação e agravar o quadro.

Assim, não importa se as espinhas incomodam você com maior ou menor frequência. O ideal é que você busque um dermatologista para avaliar as melhores opções de tratamento para o seu caso. Afinal, somente um médico pode prescrever produtos com princípios ativos eficazes para deixar sua pele lisa e livre da acne.

Para combater e prevenir espinhas, é possível que seu médico recomende:

  • limpar a pele com um sabonete anti-acne ao acordar e antes de dormir;
  • utilizar protetor solar e outros dermocosméticos livres de óleo;
  • usar loções adstringentes, caso sua pele seja oleosa;
  • aplicar géis ou cremes contendo substâncias que ajudam a secar as espinhas;
  • esfoliar a pele periodicamente.

A limpeza de pele com um profissional também pode ser recomendada pelo seu dermatologista. Entretanto, quando há muitos pontos de inflamação na pele, a prática é contraindicada. Nesse caso, podem ser prescritos medicamentos para uso oral para tratar o problema.

Portanto, a limpeza de pele somente deve ser considerada após a melhora da acne ativa. Ela deve ser feita sempre com equipamentos esterilizados e utilizando técnicas eficientes para a remoção de cravos e desobstrução dos poros.

Pronto! Agora, você já sabe por que não deve espremer espinhas e o que é preciso fazer para tratá-las de forma segura e eficiente. Além dos cuidados com a pele, adotar uma alimentação balanceada e praticar exercícios físicos regularmente também contribui para melhorar o aspecto da acne (e melhora sua saúde de forma geral).

Gostou deste conteúdo? Que tal saber mais sobre a acne da mulher adulta? Aproveite para visitar o nosso site e conhecer os nossos perfis nas redes sociais. Estamos no Facebook e Instagram.

Queda de cabelo: como descobrir esse problema?

Independente do sexo ou da idade, a queda de cabelo é um dos problemas mais temidos. Ela pode atingir homens e mulheres, jovens e idosos e é preciso estar atento para identificar o problema e buscar tratamento adequado o quanto antes.

O cabelo representa uma parte importante da identidade das pessoas, que vai muito além da beleza e estética. Ele representa sua autoestima e, principalmente, sua personalidade. Justamente por isso, as pessoas costumam se preocupar bastante com seu cuidado e buscam formas de mantê-lo saudável e bonito sempre

Para te ajudar, elaboramos esse texto com informações importantes sobre a queda de cabelo. Confira!

Como identificar a queda de cabelo?

Primeiramente, é importante entender que o cabelo passa por diferentes estágios nos quais alguns fios podem estar crescendo, enquanto outros estão se estabilizando e outros caindo. Por isso, a queda de cabelos é considerada normal até certo ponto, pois espera-se que uma parte dos fios caia em determinado estágio. Esses estágios são:

  • Anágena: fase na qual o cabelo cresce e os fios estão muito sensíveis a alterações químicas e nutricionais. Dura de 3 a 5 anos;
  • Catágena: fase na qual o fio para de crescer e o folículo capilar começa a regredir. Dura de 2 a 3 semanas;
  • Telógena: fase que ocorre após a involução máxima do folículo capilar, que precede a nova fase de crescimento capilar. Dura de 3 a 4 meses.

O importante é notar quando a queda de cabelo deixa de ser fisiológica e passa a ser um problema. Estima-se que diariamente uma pessoa saudável perce entre 50 a 100 fios de cabelo. Valores além disso merecem atenção.

Alguns sinais de alerta podem indicar que a queda está maior do que o normal:

  • muitos fios saem quando passa a mão da cabeça;
  • escova de cabelo fica “cheia” de cabelos muito rápido;
  • travesseiro fica com muitos cabelos presos nele;
  • é possível notar diferença na quantidade de cabelo quando comparam-se fotos de meses atrás.

É importante procurar um profissional assim que esses sinais surgem, se tornem constantes e a pessoa comece a sentir muita diferença e incômodo em relação à quantidade de cabelo.

Quais as causas da queda de cabelo?

As quedas de cabelos tem causas diversas e variam de acordo com o sexo e idade da pessoa. A investigação da causa é uma etapa importante, pois guia que tipo de tratamento será mais adequado para cada caso.

As principais causas da queda de cabelo são:

Eflúvio telógeno agudo

A fase telógena é a fase do processo natural do cabelo na qual há a queda do fio, e é uma etapa comum. Essa fase pode se tornar mais exacerbada após o corpo passar por uma fase de estresse intenso (doença séria ou prolongada, estresse, cirurgia e infecção grave) ou após uma mudança súbita nos níveis de hormônio (pós-parto).

Calvície hereditária

Está relacionada à herança genética. É mais comum nos homens, pela soma dos genes, com os hormônios masculinos e o avançar da idade.

Sintoma de doenças

Algumas doenças têm como sintoma a queda capilar, causada por alterações hormonais ou do metabolismo (lúpus, imunidade baixa, anemia, dermatite seborreica e psoríase do couro).

Alopécia traumática

Queda de cabelo que ocorre devido a técnicas agressivas realizadas nos cabeleireiros (uso de químicas muito fortes, exposição ao calor extremo e “puxões muito fortes”);

Carências nutricionais

A baixa ingestão de alguns nutrientes pode estar associada à queda de cabelo, como vitamina D, vitamina B, proteínas, ferro, biotina e zinco;

Desequilíbrio hormonal

A diminuição dos hormônios progesterona, estrogênio e hormônio do crescimento com o avançar da idade podem contribuir para a queda de cabelo. Outras situações que levam a esse desequilíbrio são: problemas na tireoide, síndrome do ovário policístico, uso de anticoncepcional e gravidez;

Tabagismo

O uso prolongado de cigarro leva à degeneração dos pequenos vasos sanguíneos que nutrem o couro cabeludo, além das próprias substâncias do cigarro serem tóxicas para os cabelos.

Qual a diferença entre queda e quebra de cabelo?

Outro fator importante é identificar a diferença entra queda e quebra capilar, isto é, se o cabelo está caindo porque parte dos fios estão se quebrando ou porque os fios estão realmente caindo do couro cabeludo.

A quebra de cabelo acontece quando o fio parte no meio e cai. A pessoa passa a mão pelo couro cabeludo e sente os “toquinhos” ou fios menores que sobraram após a quebra. Ela ocorre quando o cabelo está sofrendo algum estresse que o deixa enfraquecido.

As principais causas da quebra de cabelo incluem:

  • exposição a fatores ambientais, como excesso de sol e vento;
  • mudanças bruscas de temperatura, como uso de chapinha;
  • exposição ao cloro da piscina;
  • procedimentos químicos como alisamento, tintura, relaxamento;
  • doenças consumptivas (câncer, AIDS, tuberculose).

Quais os tratamentos para queda de cabelo?

Como existem diversas causas para a queda de cabelo, o primeiro passo é identificar, junto a um especialista, qual o motivo da sua queda capitar para que o tratamento seja direcionado e efetivo. As principais opções incluem:

  • uso de medicamentos: em alguns casos, são receitados medicamentos específicos para estimular o crescimento do cabelo ou impedir a queda (finasterida, minoxidil e pantogar);
  • uso de vitaminas: quando a queda de cabelo é causada pelo desequilíbrio de vitaminas, é indicada a suplementação por meio de polivitamínicos ou vitaminas isoladas;
  • fitoterápicos: uso de ervas e plantas medicinais para o tratamento da queba de cabelo, podem estar presentes em xampus e loções ou em comprimidos;
  • tratamento da doença de base: quando a queda é causada por alguma doença específica, a pessoa é encaminhada ao médico adequado para realizar o tratamento.

Independente do tipo de tratamento, é importante que a pessoa realize também procedimentos que fortaleçam o fio e auxiliem no processo de recuperação, para garantir cabelos fortes e saudáveis após a finalização do tratamento.

Um dos melhores procedimentos para fortalecimento dos fios é a cauterização capilar. Ela age mais profundamente no fio que uma hidratação comum, repondo queratina, vitaminas e proteínas perdidas. O procedimento tem o efeito também de “cobrir os buracos” dos fios, de forma que não voltam a perder vitaminas e proteínas.

A queda de cabelo é um problema comum e que traz muito incômodo para quem o sofre com ela, de forma que deve ser identificada o mais precocemente possível para o início rápido do tratamento e da recuperação capilar e claro, da autoestima.

E aí, você gostou do texto de hoje? Então aproveite para assinar a nossa newsletter e receber as nossas atualizações direto no seu e-mail! Além disso, você pode visitar nosso site e redes sociais: Facebook e Instagram.

Você sabe dos 7 benefícios da vitamina C para a pele? Descubra!

Ter uma pele saudável é desejo de qualquer mulher, por esse motivo é que elas recorrem a diversos tratamentos para diminuir as marcas que o tempo costuma deixar. Nesse momento, é importante que você conheça os benefícios da vitamina C para a pele.

É isso mesmo que você leu! A vitamina C não é eficaz somente para prevenir resfriados, ela também desempenha um papel fundamental na luta contra o envelhecimento, reduzindo as marcas de expressões, rugas e, até mesmo, aquelas manchas indesejadas na pele.

Quer conhecer outros benefícios desse nutriente? Então continue lendo este artigo até o final e confira o que preparamos para você!

1. Combate os radicais livres

Os radicais livres caracterizam-se pelas substâncias que são produzidas pelas células quando ocorre a queima de oxigênio durante a produção de energia. Essas substâncias podem prejudicar as células saudáveis do nosso organismo, inclusive o DNA.

As enzimas protetoras conseguem neutralizar os radicais que são produzidos naturalmente ao longo da nossa vida, mas, muitas vezes, somos expostos a outras fontes externas, como a radiação ultravioleta, estresse e poluição ambiental, que contribuem para a formação excessiva dos radicais livres, os quais podem ocasionar danos ao nosso corpo, inclusive à pele.

Quando isso acontece as funções biológicas de proteínas são alteradas, como o colágeno, ocasionando a flacidez na pele e contribuindo para o surgimento das rugas. Nesse momento, a vitamina C se faz muito importante, pois a sua ação antioxidante neutraliza os radicais livres, diminuindo os impactos dessa substância na sua pele.

2. Suaviza as rugas e marcas de expressão

A vitamina C é uma substância essencial para a estabilização e produção do colágeno, principalmente o tipo 1, o qual tem como principal objetivo fortalecer as articulações, melhorar a firmeza da pele, fortalecer cabelos e unhas etc.

Dessa forma, o colágeno consegue manter mais elasticidade e água em suas fibras, prevenindo o surgimento das — tão temidas — rugas e marcas de expressão, as quais prejudicam a autoestima das pessoas, fazendo com elas se sintam mais velhas do que realmente são.

Com o auxílio da vitamina C a sua pele ficará mais firme, radiante e bonita, diminuindo, ao máximo, aquelas marcas que tanto lhe incomodam quando você se olha no espelho.

3. Clareia manchas e uniformiza o tom da pele

A vitamina C é tão benéfica em relação ao clareamento de manchas e uniformização do tom da pele que é usada até mesmo no tratamento contra o melasma. O motivo é que ela contém um dos mais poderosos ácidos antioxidantes, que é capaz de promover o clareamento satisfatório.

As manchas se desenvolvem na pele devido aos radicais livres que desencadeiam um processo de oxidação, dando origem às substâncias de tons mais escuros, as quais são chamadas de melanina.

Com o consumo da vitamina C, essas reações de oxidação são bloqueadas, prevenindo o aparecimento das manchas escuras e proporcionando à sua pele um tom uniforme e adequado.

4. Contribui para a formação do colágeno

O colágeno é uma proteína que é produzida de forma natural pelo nosso organismo. Sua principal função em nossa pele é proporcionar elasticidade e firmeza a ela, alcançando, ainda, outros tecidos, a fim de garantir integralidade às articulações, tendões e ligamentos.

Nesse momento, a vitamina C tem um papel muito importante, pois ela contribui para a produção de fibras colágenas, as quais estão presentes em absolutamente todos os tecidos do nosso corpo.

Sem a vitamina C, o corpo não consegue produzir a quantidade de colágeno adequada, diminuindo a firmeza da pele e prejudicando a união das células dos músculos e ossos.

5. Tem efeito fotoprotetor contra os raios UVA e UVB

Os danos causados pelo sol podem trazer sérias complicações para a sua saúde, as quais vão muito além do envelhecimento precoce, por exemplo. Assim, os raios UVA e UVB também são responsáveis por ocasionar problemas de pele mais sérios, como aumentar os riscos de desenvolvimento do câncer.

Um dos benefícios da vitamina C é que ela combate os danos causados pelos raios UVA e UVB, pois proporciona um efeito fotoprotetor. Mas é importante ressaltar que ela jamais deve ser usada sozinha. Ou seja, ela deve ser um complemento ao protetor solar, o qual é fundamental para proteger a sua pele dos efeitos do sol.

6. Promove hidratação e luminosidade para a pele

Além de todos os benefícios da vitamina C para a pele apresentados até aqui, há também a promoção da hidratação e luminosidade para a pele. Isso só é possível devido a sua ação que inibe a formação de melanina, diminuindo as manchas causadas por essa pigmentação e deixando a sua pele mais suave e bonita.

É importante frisar que, nesse momento, o uso de cremes hidratantes também é essencial para alcançar esse tipo de resultado. A vitamina C contribui para a hidratação de forma mais eficaz com o uso dos cosméticos apropriados. Portanto, é interessante investir em produtos de textura sérum, pois eles contêm ativos que potencializam a ação da vitamina C.

7. Previne o envelhecimento precoce

O combate ao envelhecimento é um dos maiores desafios das mulheres. Para facilitar esse processo, eles recorrem aos procedimentos estéticos a fim de minimizar os efeitos do tempo. Mas você sabia que a vitamina C pode ser uma excelente aliada nessa missão?

A vitamina C é uma das principais responsáveis em prevenir o envelhecimento precoce. Isso acontece porque, quando essa substância age na derme, ela impede que as células se degenerem, diminuindo as chances do problema e também o desenvolvimento de outros fatores que já citamos neste artigo.

A sua ação antioxidante elimina os radicais livres, proporcionando mais saúde às células do nosso organismo, facilitando o desenvolvimento de uma pele mais bonita, jovem e saudável.

Ter uma pele bonita e bem cuidada é o desejo de toda mulher, até as que são menos vaidosas. Nesse sentido, é importante que os cuidados comecem o quanto antes, pois, dessa maneira, será possível suavizar as marcas deixadas pelo tempo e eliminar as manchas e outros problemas ocasionados pela falta de cuidado.

Os benefícios da vitamina C para a pele são muitos e você não pode deixar de usufruir deles. Portanto, insira essa substância no seu cardápio diário e comece a aproveitar dessas vantagens que ela oferece para a sua pele.

Quer saber mais sobre como clarear a sua pele? Então não deixe de ler nosso artigo que apresenta os 7 ácidos utilizados para esse objetivo, além de acessar o site da clínica de dermatologia Thais Pepe para conhecer um pouco mais sobre o atendimento e os serviços disponíveis. Aproveite!

Consulta com o dermatologista: checklist do que você precisa perguntar!

É possível que você já tenha marcado uma consulta com o dermatologista e, depois de ser atendida, lembrou que tinha que ter perguntado várias coisas importantes, mas esqueceu.

Não se preocupe se isso já ocorreu com você. Saiba que é algo muito comum durante as consultas médicas, especialmente na primeira. Para que isso não aconteça mais, é preciso fazer antes uma lista com todas as perguntas, queixas e dúvidas que você quer esclarecer com o médico.

Por isso, neste post, traremos mais informações de tudo o que vale a pena perguntar ao dermatologista e mais algumas dicas que ajudarão você a fazer um checklist completo antes de começar um tratamento estético. Acompanhe!

Prepare-se para a consulta com o dermatologista

É muito importante que você esteja se sentindo segura. Não há motivos para ter vergonha de perguntar nada ao médico — procure estabelecer com ele uma relação de confiança.

Aproveite para se informar a respeito de tratamentos específicos para o seu caso e tire dúvidas sobre produtos de pele e medicações. Alėm disso, não esqueça de relatar se notou algo diferente no seu corpo ou se você apresenta algum sintoma.

Geralmente, há um problema ou uma queixa que é o motivo principal da consulta e por isso, acaba sendo o foco do atendimento. As outras questões e dúvidas ficam em segundo plano, a gente esquece, se distrai e só lembra delas depois que a consulta com o dermatologista acaba.

Por esse motivo, fazer previamente uma lista pode ajudar bastante a resolver esse tipo de situação. A seguir, saberemos quais são os itens que podem ajudar a elaborar o seu checklist e que farão você tirar o maior proveito da consulta.

Manchas na pele

Se você tem manchas na pele, seja no rosto ou no corpo, o dermatologista avaliará qual é o tipo de mancha, se é uma questão apenas estética ou se há algum problema de saúde relacionado. O médico indicará qual é o melhor tratamento para o seu caso, com todas as orientações necessárias.

Dependendo das manchas, é possível tratar em casa com o uso tópico de produtos específicos, porém há casos em que é preciso recorrer aos tratamentos realizados no consultório. Dessa forma, para que o médico possa avaliar as manchas, é indicado que você não esteja usando maquiagem na consulta.

Pintas e sinais

Você tem algum sinal ou pinta na pele que mudou de cor, cresceu, sangra ou apresenta coceira? Caso tenha, peça que o médico avalie. A maioria dos sinais e pintas presentes na pele não oferece riscos à saúde, no entanto, existem alguns tipos que podem ser cancerígenos e precisam ser retirados o quanto antes.

Sendo assim, apenas o dermatologista, por meio de avaliação clínica e de uma biópsia, pode fazer o diagnóstico correto. Por esse motivo, fique alerta à sua pele e não guarde dúvidas e preocupações — qualquer sinal de alteração é motivo de atenção.

Unhas

Suas unhas estão crescendo fortes, saudáveis e sem nenhum problema? Se a sua resposta for não, inclua na lista de perguntas para o médico. Por isso, é recomendável, especialmente na primeira consulta com o dermatologista, ir sem esmalte para que ele faça uma avaliação detalhada.

Portanto, além de examinar a pele do corpo e do rosto, ele também avalia a saúde das unhas, observa se há alguma alteração, manchas, descamação etc. Isso acontece porque algumas dessas características nas unhas podem indicar enfermidades como micoses, alergias, deficiência de vitaminas, entre outros problemas de saúde.

Cabelo

A queda de cabelo representa uma das principais queixas das pessoas que chegam aos consultórios. Antes de tudo, deve-se investigar as causas da queda, que pode ter relação com alterações hormonais, falta de vitaminas, doenças no couro cabeludo, fatores emocionais etc. Então, se você notou que está com queda mais acentuada dos fios, anote na lista para perguntar sobre isso ao médico.

Celulite

Com o avanço da tecnologia, o que não faltam são tratamentos para amenizar a temida celulite. Hoje em dia, existem cremes redutores para serem usados em casa e aparelhos de última geração, nos consultórios, que possibilitam ótimos resultados. Portanto, se você sofre com celulite, converse com o dermatologista e peça indicações de tratamentos para o seu caso.

Tratamento a laser

Você tem vontade de fazer algum tratamento a laser no rosto ou no corpo, mas fica em dúvida se realmente funciona, como é o procedimento e se é indicado para o seu tipo de problema? Chegou a hora de perguntar tudo!

Escreva o que quer saber em tópicos ou em forma de perguntas, para não esquecer de nada durante a consulta. Busque se informar sobre todo o processo, os cuidados no pós e o número médio de sessões, por exemplo.

Peelings

Para quem está insatisfeito com o aspecto geral da pele, os peelings podem trazer bons resultados, pois deixam a pele mais clara, viçosa e atenuam algumas marcas e linhas de expressão.

Os peelings químicos são feitos na base de ácidos e são realizados por meio de sessões no consultório. Se você tem vontade de fazer esse procedimento, não deixe de perguntar ao médico mais detalhes a respeito.

Cosméticos

Atualmente, existem tantos cosméticos e com tantas funções diferentes, que a gente não sabe o que realmente vale a pena incluir na rotina. Aproveite a consulta com o dermatologista para perguntar quais são os dermocosméticos mais indicados para o seu tipo de pele, ele certamente ajudará você a montar uma rotina de cuidados de saúde e beleza individualizada e com ótimos resultados.

Saiba o que levar para consulta

Você pode levar os exames anteriores, listar os nomes de todos os medicamentos que usa e relatar as doenças existentes. Não deixe de falar tudo o que possa ser relevante como o uso de anticoncepcional e de remédios controlados. Caso tenha filhos, comente sobre a gestação e a amamentação.

Seguindo todas essas dicas, você sairá da consulta com o dermatologista muito bem informada, com todas as suas dúvidas esclarecidas e — o melhor — sem preocupações. Para isso, busque uma clínica especializada em dermatologia, com profissionais capacitados e garanta resultados de alta performance.

Gostou do post? Então acesse o site da clínica de dermatologia Thais Pepe e conheça um pouco mais sobre o atendimento e os serviços disponíveis. Aproveite!

Você sabe o que é melasma? Descubra aqui as causas e tratamentos

A exposição inadequada ao sol, sem a devida proteção, pode ocasionar diversos problemas de saúde, principalmente, na pele. Sendo assim, é fundamental estar atento a todas das recomendações médicas para prevenir sua pele de sérias complicações.

Uma das mais comuns é o melasma. Essa doença mexe com a autoestima das pessoas e faz com que elas sintam-se mais velhas Mas você sabe o que é melasma? É isso que vamos explicar neste artigo.

Além disso, também explicaremos quais são as principais causas e tratamentos. Quer saber mais? Então não deixe de ler este post até o final!

O que é melasma?

O melasma é uma hiperpigmentação da pele que decorre em razãodo estímulo exagerado do melanócito que é a célula responsável pela produção da melanina, proteína responsável pela coloração da pele e também pela proteção contra danos ocasionados pela radiação ultravioleta.

Em suma, o melasma caracteriza-se pelo surgimento de manchas escuras na pele. Normalmente, essas manchas aparecem no rosto, mas também podem se desenvolver em outras partes do corpo que ficam expostas ao sol, como colo, pescoço e braços.

Apesar de o melasma também se desenvolver em homens, essa doença é mais comum em mulheres com a faixa etária entre 20 e 50 anos. O tamanho das manchas variam muito. Existem casos em que elas chegaram a preencher completamente ambos os lados da face do portador da doença.

Existem 3 tipos de melasma, os quais explicaremos a seguir. Acompanhe:

Melasma epidérmico

Esse tipo de melasma é mais superficial. Isso porque o depósito de melanina se concentra nas camadas suprabasais e basais da epiderme, em consequência disso, o tratamento do melasma epidérmico torna-se mais simples.

Melasma dérmico

O melasma considerado dérmico ocorre quando as manchas de melanina alcançam a derme profunda e superficial. Em virtude disso, ele pode se concentrar próximo aos nervos, vasos sanguíneos e estruturas anatômicas.

Melasma misto

Quando os depósitos de melanina (dérmico e epidérmico) coabitam o mesmo tecido, ocorre o que chamamos de melasma misto.

Quais são as causas?

Não podemos dizer que existe uma causa definida para o surgimento do melasma, a causa é multifatorial. É importante frisar que o desenvolvimento dessa doença está relacionada, principalmente, à exposição ao sol, pois a luz ultravioleta estimula as células responsáveis por produzir a melanina.

Além disso, os fatores hormonais, uso de medicações (como o anticoncepcional), predisposição genética e gravidez também podem colaborar para o surgimento do melasma.

A maioria das pessoas que desenvolveram o melasma, apresentam um histórico de exposição solar. Além disso, o calor também afeta bastante. Por exemplo: em dias muito quentes, quando você deixa seu carro parado em algum lugar e entra novamente nele, você sente aquele calor insuportável, não é mesmo? Isso chama-se radiação e também interfere nas manchas.

É válido ressaltar que as mulheres que apresentam tons de pele mais escuros são mais propensas ao surgimento do melasma.

Quais são os sintomas?

O principal sintoma do melasma é o escurecimento da pele na região do rosto, colo e braços — áreas que ficam mais expostas ao sol. Essas manchas podem variar de acordo com o tom da pele e, normalmente, são acastanhadas.

As manchas podem se desenvolver nas têmporas, no maxilar, nariz, testa e maçãs do rosto. Dependendo dos fatores que desencadearam a doença, é possível que as manchas aumentem e diminuam de tamanho e intensidade.

Os sintomas do melasma não apresentam dor, coceira ou ardência. É importante frisar que o melasma é uma disfunção benigna. Lembre-se de que prestar atenção em detalhes como esses é essencial para garantir uma melhor qualidade de vida.

Quais são os tratamentos?

Os tratamentos para melasma podem variar, por esse motivo, é de suma importância que você procure um profissional da área, para que ele possa avaliar o seu caso e indicar quais são os procedimentos necessários para combater a doença.

Inicialmente, ele explicará a necessidade da proteção contra os raios solares, enfatizando a importância de aplicar o protetor solar com FPS mínimo de 30, principalmente nas regiões do rosto e corpo que ficam mais expostas ao sol. Na hora de escolher seu protetor, dê preferência para adquirir aqueles que oferecem proteção contra os raios UVA e UVB (Ultravioleta A e B).

Cremes clareadores a base de ácido glicólico, retinóico, azelaico, hidroquinona entre outras substâncias, podem ser utilizados para auxiliar na remoção das manchas. Os resultados desse tipo de tratamento começam a aparecer cerca de 15 dias depois.

Porém, é necessário frisar que esse procedimento não funciona em todas as pessoas. O tratamento precisa ser contínuo , pois é uma condição crônica que não apresenta cura.

O dermatologista também pode optar por tratar o melasma com o peeling, clareando a pele de maneira gradual. Essa técnica oferece resultados mais rápidos que os cremes.

O laser também é uma técnica usada para tratar o melasma, mas se você for realizar esse procedimento, é importante verificar se o profissional é reconhecido no método, pois ele precisa aplicá-lo corretamente para não piorar o aparecimento das manchas. Muitos lasers agravam ou desencadeiam o melasma ao invés de melhorá-lo.

Recentes estudos mostram que o uso de ácido tranexâmico ajudam a melhorar o componente vascular do melasma, melhorando assim a mancha como um todo. Este medicamento não pode ser utilizado em qualquer pessoa, devendo ser prescritos por profissionais habilitados. Podem levar a inúmeros efeitos colaterais.

Como se prevenir do melasma?

O uso diário do protetor solar é essencial para você se prevenir do melasma. Mas, se você se enquadra nos fatores de riscos aqui apresentados, os cuidados precisam ser ainda maiores.

A principal atitude é evitar a exposição aos raios solares e utilizar o protetor adequado para proteger as áreas expostas. Essa aplicação deve ser realizada várias vezes ao longo do dia. Além disso, também é importante sempre utilizar chapéus, viseiras e tecidos da proteção solar

Um detalhe interessante: você sabia que, nesses casos, quanto mais maquiagem você usar é melhor? Isso mesmo! Isso porque os pigmentos contidos na maquiagem também ajudam a repelir a luz visível, protegendo ainda mais essa região que fica mais exposta.

Agora que você já sabe o que é melasma, é fundamental ficar atenta a cada informação aqui apresentada para evitar complicações futuras. Lembre-se de que a sua saúde sempre deve vir em primeiro lugar, por isso, não deixe de cuidar bem dela!

Quer ter acesso a mais conteúdos relevantes como este? Então acesse nosso site siga-nos nas nossas redes sociais e acompanhe nossas novidades diariamente. Estamos no Facebook e Instagram!

Acne da mulher adulta: entenda o que é e como tratar

Já faz algum tempo que você saiu da puberdade, mas ainda sofre com cravos e espinhas? Saiba que isso é muito comum e tem até nome: acne da mulher adulta.

Por incrível que pareça, essa doença de pele, mais frequente na adolescência, pode aparecer tardiamente, após os 25 anos, persistindo, em alguns casos, até os 50! Não por acaso, esse é um dos principais motivos que levam mulheres aos consultórios dermatológicos.

Você se identificou? Então este artigo é para você! Vamos mostrar o que é, por que ocorre, como tratar e como prevenir a acne da mulher adulta.

A acne

De modo geral, a acne é uma doença que acomete o folículo pilosebáceo (ou folículo piloso) e apresenta fatores fundamentais como grande produção de sebo e de queratina, aumento da colonização pela bactéria Propionibacterium acnes e consequente inflamação.

Os locais mais comuns onde ela se desenvolve são a face e o tronco. No rosto, a chamada zona T — testa, nariz e queixo — costuma ser a mais acometida nos jovens, enquanto que no tronco as costas são as que mais sofrem com as lesões.

Especialistas classificam a acne de acordo com seus graus, indo do mais leve (grau I) até o mais grave (grau IV). Confira abaixo as características de cada um:

  • grau I: aparecem apenas os populares cravos, sem nenhum sinal de inflamação;
  • grau II: há ocorrência também de espinhas com pus;
  • grau III: surgem lesões profundas, doloridas e muito inflamadas (os nódulos);
  • grau IV: há formação de cistos e abcessos, que chegam a provocar aspecto desfigurante.

Acne da mulher adulta

Para classificar a doença dessa forma é preciso que ela tenha se desenvolvido a partir dos 25 anos, com ou sem histórico prévio na juventude. Normalmente, as lesões aparecem de forma gradual e leve, com localização mais frequente na região ao redor da boca, na mandíbula e no pescoço — também chamada de zona U.

A principal razão para seu aparecimento está ligada aos hormônios. Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), alterações nas glândulas suprarrenais e hiperandrogenismo — aumento dos hormônios masculinos — são alguns dos motivos que podem desencadeá-la.

No entanto, existem outros fatores responsáveis por contribuir para esse quadro. Entre eles, podemos citar o uso de determinados cosméticos, bem como medicamentos sem prescrição médica. Isso porque tais produtos, por serem inadequados para cada tipo de pele, podem acabar por agravar a acne da mulher adulta.

Outro fator decisivo para o aparecimento das lesões acneicas é a hereditariedade. Por genética, a intensa reação do organismo aos hormônios vista na adolescência não muda com o tempo, então, essa condição permanece mesmo na vida adulta.

Também costumam ser apontados como razões para o desenvolvimento da acne nessa fase da vida:

. alimentação inadequada. Ingestão de alimentos que elevem os níveis glicêmicos

. uso de produtos que aumentam a oleosidade ( principal causa de acne na mulher adulta é o uso de cosméticos inadequados

Como tratar

Existem vários tratamentos que prometem diminuir o desconforto causado pelas lesões acneicas. Vale lembrar que a acne deve sempre ser tratada por dermatologistas, capacitados para indicar medicamentos que, muitas vezes, trazem efeitos colaterais.

Veja alguns tipos de tratamento:

Limpeza de pele

Esse é um dos mais conhecidos, sendo ideal para quem está classificado no grau I da doença. Por meio da extração dos cravos e do controle da oleosidade da pele, é possível amenizar o quadro e evitar que ele evolua.

Peelings químicos

Os peelings químicos, como o de ácido salicílico, também entregam ótimos resultados. Dependendo da situação, são necessárias várias sessões, mas, com o tempo, consegue-se um aspecto menos oleoso e diminuição das lesões na pele.

Sessões de laser (Pulsed Dye laser)

Também podem ser de grande valia, pois promovem uma ação anti-inflamatória e conseguem amenizar o quadro da acne. Além disso, já age no tratamento e prevenção das cicatrizes.

Fotobiomodulação (LED)

A luz azul ajuda a diminuir a concentração de P. acnes e controla a oleosidade.

Terapia fotodinâmica

Consiste na aplicação de uma substância chamada ácido aminolevulínico e exposição ao LED após, este procedimento é muito indicado em pacientes com a cne que não podem se submeter aos tratamentos via oral.

Contraceptivos hormonais

Esses medicamentos também podem ajudar em alguns casos, como na Síndrome dos Ovários Policísticos. Porém, assim como os remédios citados acima, o ideal é que eles sejam prescritos por um médico.

No geral, a escolha do método ideal de tratamento é sempre bastante individual e está relacionada a diversas variáveis conforme cada caso. Por isso, na dúvida, o melhor mesmo é procurar um profissional de confiança para realizar o diagnóstico e indicar a melhor conduta para você.

Como prevenir

Mesmo que haja predisposição genética ou fatores hormonais envolvidos, hábitos simples podem evitar o aparecimento da acne da mulher adulta. Anote alguns deles:

Higiene Adequada

Lavar o rosto no mínimo duas vezes ao dia : uma pela manhã e outra à noite. Aplicar um adstringente após e os produtos prescritos para o tratamento. Lembre-se também de usar produtos específicos para o seu tipo de pele.

Invista nos secativos

Passe sobre as lesões que aparecerem para que elas melhorem mais rapidamente. E resista à tentação de espremê-las para não deixar cicatrizes!

Use cosméticos não comedogênicos

Isso garante que eles não vão obstruir os folículos, piorando o quadro da acne. Já existem várias opções no mercado, inclusive de maquiagens.

Mantenha hábitos de vida saudáveis

Alimentação balanceada e atividade física ajudam a eliminar o estresse do dia a dia. Ele também pode ser o grande vilão, agindo como um fator desencadeante ou de agravamento do quadro.

Como camuflar

As maquiagens podem ser ótimas aliadas na hora de esconder os cravos e espinhas. As bases no tom certo da pele oferecem mais uniformidade, enquanto que os corretivos coloridos camuflam as lesões.

Para as espinhas, a melhor dica é usar o corretivo verde, que consegue neutralizar a coloração avermelhada provocada pela inflamação. Se essa for a sua opção, passe primeiro o corretivo e depois a base, dando leves batidinhas. Assim, você garante que o rosto não vai ficar com nenhum tom esverdeado!

Como vimos, a acne da mulher adulta é bastante comum, mas tem solução. Se você sofre com esse problema, procure orientação de um profissional capacitado e dê início aos tratamentos. Eles podem te ajudar a ter uma pele mais bonita e saudável, além de recuperar sua autoestima.

Gostou deste conteúdo? Então, aproveite para visitar nosso site e seguir as nossas redes sociais para ficar por dentro de todas as novidades. Estamos no Facebook e no Instagram.

Cuidados com a pele: 8 dermocosméticos para mulheres acima dos 30

Com o passar dos anos, a pele precisa de cuidados especiais para continuar firme, viçosa e sem rugas. A gente não pode lutar contra o tempo ou deixar de envelhecer, mas é possível atenuar os sinais da idade e manter a pele saudável e bonita. Nesse sentido, os dermocosméticos para mulheres de pele madura estão cada vez mais cheios de ativos que atuam diretamente no combate ao envelhecimento cutâneo e retardam o surgimento das rugas e das linhas de expressão.

Pensando nisso, trouxemos algumas dicas de produtos que não podem faltar na rotina da mulher que já passou dos 30. Portanto, se você gosta de se cuidar e ficou curiosa para saber quais são esses dermocosméticos capazes de manter sua pele sempre jovem e bonita, continue a leitura!

Saiba o que acontece com a pele depois dos 30

Após os 30 anos há uma queda considerável na produção de colágeno, e essa redução, faz com que a pele fique aparentemente mais flácida e com marcas de expressão. É possível notar também uma perda da elasticidade e da hidratação natural da pele. Além disso, os danos causados pela exposição solar tornam-se mais evidentes e algumas manchas já podem ser notadas, especialmente no rosto, no colo e nas mãos.

Para que o aspecto jovial permaneça por mais tempo, é preciso investir nos produtos certos que cuidam da pele desde cedo. Você provavelmente já ouviu o ditado: melhor prevenir do que remediar, não é mesmo? Pois então, da mesma forma acontece com a pele!

A seguir, você saberá quais são os 8 melhores dermocosméticos para mulheres a partir dos 30 anos:

1. Protetor solar

O protetor solar inibe a ação dos raios UVA e UVB, que além de causarem queimaduras na pele, provocam o surgimento de manchas, rugas e ressecamento. Por isso, o uso diário do filtro solar é indispensável para quem quer manter a pele sempre saudável e jovem.

Atualmente, existem protetores para todos os tipos de pele: secas, mistas a oleosas e acneicas. Alguns protetores já se apresentam até mesmo com cor de base, que protege da luz visível e ajuda a uniformizar a pele, cobrindo algumas manchinhas.

2. Hidratante

Com o passar dos anos, a pele perde a hidratação natural e o seu aspecto viçoso, por isso é necessário repor a hidratação com o uso de dermocosméticos hidratantes específicos para o rosto e o corpo. Um agente bastante hidratante, que faz parte da composição de inúmeros cremes de beleza, com alta tecnologia, é o ácido hialurônico. Ele é capaz de atrair e reter a água na pele.

3. Vitamina C

A vitamina C é muito utilizada em dermocosméticos para mulheres acima do 30, pois ela protege a pele dos danos da oxidação causados pelos radicais livres e aumenta a produção de colágeno. Além disso, a vitamina C atua na redução de manchas escuras que já existem na pele e também no surgimento de novas, pois ela inibe a produção da enzima que cria o pigmento responsável pela cor das manchas.

4. Clareadores

Depois dos 30 anos, é muito comum que a pele apresente algumas manchas de sol, por isso o uso de clareadores pode proporcionar um tom mais claro e uniforme. Existem vários agentes clareadores que podem atenuar as manchas, mas é preciso ficar atenta aos rótulos dos produtos para não usar clareadores noturnos durante o dia.

Nunca é demais lembrar que o uso incorreto pode acarretar o surgimento de novas manchas na pele. Por esse motivo, siga sempre as orientações do seu dermatologista e evite usar esse tipo de produto sem recomendação médica.

5. Cremes anti-idade

Como já vimos acima, a pele madura precisa de ativos capazes de promover um maior estímulo da renovação celular e de produção de colágeno. Dessa forma, esses produtos são essenciais para garantir uma pele mais jovem, pois atuam diretamente no mecanismo de preservação dos tecidos cutâneos.

De um modo geral, os dermocosméticos com propriedades anti-idade melhoram o aspecto da pele, proporcionam mais hidratação, ajudam a reduzir as rugas e as linhas de expressão. Além disso, eles trazerem mais firmeza e deixarem a pele visivelmente mais iluminada.

6. Gel de limpeza facial

É recomendável lavar o rosto diariamente, pela manhã e à noite, com um gel de limpeza específico para o seu tipo de pele. Ao lavar pela manhã, você retirará resíduos dos produtos noturnos e preparando a pele para receber os dermocosméticos de uso matinal e maquiagem.

Ao lavar à noite, você limpará a pele para receber os cremes de cuidados noturnos, clareadores, etc. Manter essa rotina é fundamental para controlar a oleosidade natural da pele, não obstruir os poros e nem favorecer o surgimento de cravos e acne.

7. Creme para a área dos olhos

A área dos olhos merece atenção especial por ser uma região mais sensível, fina e delicada. Exatamente por esse motivo, essa é uma parte mais propensa aos sinais de envelhecimento, em que os chamados “pés de galinha” podem marcar bastante a região e deixá-la mais flácida.

Os dermocosméticos para mulheres acima dos 30 específicos para a área dos olhos são desenvolvidos com alta tecnologia, e são capazes de hidratar profundamente, dar mais firmeza e atenuar as rugas. É muito comum encontrarmos nesses cremes vitaminas C e E, além de ativos que penetram na pele e ajudam na circulação sanguínea da região.

8. Retinol

O retinol age no DNA das células cutâneas, estimula a capacidade de renovação e deixa a pele mais lisa, firme e uniforme. Isso acontece porque o retinol aumenta gradativamente a síntese de colágeno e elastina. Os resultados são bem animadores, pois ele consegue atuar nos danos causados pelo fotoenvelhecimento de uma maneira geral: manchas, rugas, opacidade, etc.

Agora que você já sabe quais são os melhores dermocosméticos para mulheres acima dos 30 anos, vale a pena se cuidar para ficar sempre jovem e bonita. Seguindo nossas dicas, você certamente conseguirá organizar uma rotina de cuidados com a sua pele, prevenindo as rugas e minimizando os sinais do tempo.

Gostou? Então, aproveite para visitar nosso site e nos seguir nas nossas redes sociais para ficar por dentro de todas as novidades. Estamos no Facebook e no Instagram.

Afinal, quais são as causas da flacidez?

É fato que, cedo ou tarde, os sinais de envelhecimento precoce da pele começam a aparecer: rugas, linhas de expressão, cútis áspera, sem vida e seca. Temos que nos atentar a vários aspectos, e algumas vezes nos esquecemos que uma das causas da flacidez é também o envelhecimento precoce.

Mas esse é o único motivo da pele ficar flácida? Existem formas de prevenir este mal? E quais são os tratamentos que podem amenizar os sinais da flacidez? Confira todas essas respostas e mais algumas dicas nesta matéria especial!

Quais as causas da flacidez?

A flacidez acontece quando as fibras de sustentação da pele (colágeno e elastina) são afetadas pela falta de nutrientes e oxigenação. Essa característica é comum tanto à pele quanto à musculatura, por isso não é difícil encontrarmos pessoas que costumavam praticar exercícios e, quando param, acabam ficando com a pele flácida.

Conheça algumas das principais causas da flacidez!

Envelhecimento

Além da redução do colágeno e elastina em nossa pele, com o passar dos anos, nossa musculatura também começa a ser perdida. Os dois fatores associados causam a flacidez de toda nossa pele, o que resulta na aparição das rugas, nossos braços ficam com o famoso “tchauzinho” e nossas pernas ficam mais moles.

Sedentarismo

Até mesmo pessoas que são consideradas jovens apresentam flacidez nas pernas e braços devido ao sedentarismo. Fazer exercícios com peso é o principal aliado dos jovens que lutam contra os sinais da flacidez, pois enrijece os músculos e tonifica nossa pele.

Hormônios

Existe também a flacidez causada por alterações hormonais, muitas delas acontecem durante a menopausa nas mulheres. Por causa dessas alterações, há uma diminuição no colágeno e elastina produzidos por nosso corpo, o que deixa a pele bem mais flácida. Por isso, os cuidados com a flacidez devem ser redobrados em mulheres que já estão na menopausa.

Emagrecimento

Uma das causas da flacidez mais comum é o efeito sanfona. Este ato de engordar e emagrecer constantemente provoca o chamado estiramento excessivo da pele (que também acontece durante a gravidez) e, consequentemente, a flacidez.

Genética

Muitos não sabem, mas fatores genéticos podem causar alterações na estrutura da pele e diminuição da produção das fibras de sustentação: o colágeno e a elastina.

Como prevenir a flacidez?

Hábitos como tabagismo, alcoolismo, má alimentação e estresse desencadeiam a degeneração das fibras de sustentação da nossa pele, causando a flacidez. Por isso, a melhor forma de prevenir esse efeito é mudando os hábitos alimentares e levando uma vida mais saudável.

O principal é cuidar da alimentação e ingerir alimentos ricos em colágeno, ou seja, precisamos de aminoácidos — como a lisina, prolina e glicina. É também essencial adicionar à dieta alimentos ricos em Vitamina A (ajuda a reparar os danos causados às células), Vitamina C (previne o fotoenvelhecimento), zinco, manganês, cobre, silício, ômega 3 (ajuda a manter a umidade da pele, mantendo-a mais hidratada e com mais tonicidade) e proteínas.

Se você deseja iniciar um tratamento de prevenção da flacidez através da alimentação, aqui estão alguns alimentos que você deve incluir na sua dieta:

  • leite desnatado;
  • soja;
  • carnes vermelhas;
  • peixes;
  • amêndoas;
  • avelãs;;
  • ovo;
  • frango;
  • ostras;
  • frutas cítricas;
  • vegetais.

Como reverter a flacidez?

Agora, se sua pele já está flácida e você não está satisfeita com isso, é importante conhecer alguns hábitos que podem reverter a flacidez e devolver a saúde para sua pele.

A primeira coisa que você deve fazer é identificar o tipo de flacidez que você quer combater. Os dois principais tipos são a muscular e a dérmica.

Flacidez muscular

Ela é causada pela diminuição ou ausência de exercícios físicos e movimentação, o que causa um enfraquecimento dos músculos.

A flacidez muscular é mais fácil de ser revertida, já que, com a movimentação e os exercícios musculares, o tônus volta e a flacidez diminui. Mas é importante ressaltar que os exercícios devem ser intensos e com uma rotina muito regrada.

Musculação, corrida, pilates e fisioterapia são alguns dos exercícios que podem melhorar a flacidez muscular. Essas atividades, aliadas a bons hábitos de vida e a uma alimentação rica em proteínas, devolverão o tônus muscular que você precisa para acabar de vez com a flacidez muscular.

Flacidez dérmica

Este é o tipo de flacidez que chega com a idade e é o resultado da diminuição das já famosas fibras de sustentação. Mas, como já salientamos, muitos hábitos aceleram esse processo, causando o envelhecimento precoce das fibras: tabagismo, alcoolismo, sedentarismo, obesidade, emagrecimento, má alimentação e exposição solar indevida.

A melhor forma de reverter a flacidez da pele é ter uma alimentação balanceada, hábitos saudáveis, manter a hidratação da pele e do corpo por meio de cremes ricos em colágeno e elastina, além de praticar exercícios físicos.

Também é importante utilizar protetor solar com FPS 30 ou acima, dependendo da pigmentação da sua pele, e também abusar de cremes antienvelhecimento que contenham retinol em sua composição — um ótimo aliado da reposição de elastina.

Devemos enfatizar que ela é mais difícil de ser revertida do que a flacidez muscular, por isso o mais importante é trabalhar sempre com a prevenção.

Quais os mitos da flacidez?

Existem alguns mitos ligados à flacidez que precisamos ficar atentas.

Cintas fazem a flacidez desaparecer

A única coisa que as cintas fazem é uma compressão local, impedindo que a pele que está flácida fique à mostra em determinadas situações.

Shorts modeladores fazem a flacidez sumir

Outro mito. Os shorts modeladores funcionam como as cintas, fazendo uma compressão sobre a pele flácida e escondendo-a em algumas situações.

Cremes contra a flacidez recuperam o tecido

Também é um mito. Os cremes são ótimos aliados contra a flacidez por deixarem a pele hidratada e devolverem um pouco do tônus natural, mas eles não recuperam os tecidos.

É importante que você faça uma avaliação com um dermatologista para descobrir quais as causas da flacidez e encontrar o melhor tratamento para atenuar os sinais que ela causa em nosso corpo. Além disso, procure levar uma vida saudável e ter uma alimentação equilibrada.

Gostou das dicas? Quer saber também o segredo das mulheres que possuem a pele lisinha? Conheça o lifiting sem cirurgia nesta matéria!

Flacidez tem solução?

A flacidez pode ser um grande desafio para quem quer deixar a pele mais firme, tonificada e com um aspecto saudável. Ela ocorre por vários motivos e acomete até mesmo pessoas magras, especialmente aquelas que perdem grande quantidade de massa em um curto período de tempo.

Mas, para o alívio de quem busca por uma pele bonita, a notícia é boa: flacidez tem solução! Com algumas mudanças de hábito e estilo de vida, além de tratamentos estéticos eficazes, é possível recuperar a tonicidade da pele — tanto do rosto quando do corpo — sem sofrimento.

Quer entender quais são os tipos de flacidez e como proceder para evitá-la? Continue a leitura!

Quais são os tipos mais comuns?

De modo geral, são definidas duas formas diferentes desse problema estético: uma relacionada à pele em si — chamada flacidez tissular — e outra referente aos músculos — flacidez muscular.

O primeiro tipo pode ser causado pelo envelhecimento da pele, que é acelerado em decorrência da exposição solar, pelo efeito sanfona ou pela gravidez, entre outros motivos. A diminuição do tônus tissular ocorre quando as fibras de sustentação da pele — o colágeno e a elastina — perdem suas funções originais.

O declínio das atividades dessas duas proteínas faz com que a camada de gordura subcutânea não se mantenha uniforme, resultando em um aspecto flácido da pele. Já a flacidez muscular é causada essencialmente pelo enfraquecimento das fibras dos músculos.

A falta de estímulo nessas estruturas faz com que elas percam seu tônus e, com isso, fiquem sem contornos definidos. Assim, a pele ganha um aspecto “caído”, mesmo em pessoas que não estão acima do peso.

Quando a flacidez tissular e a muscular aparecem simultaneamente, a aparência geral fica da cútis fica ainda pior. Mas nem tudo está perdido! Flacidez tem solução e é isso que vamos ver a seguir.

Como evitar e tratar a flacidez?

Evite o excesso de sol

Os raios ultravioletas danificam a pele em sua camada mais profunda, a derme, que é onde se encontram as fibras de colágeno e elastina. Entre os danos causados, está a destruição da estrutura dessas proteínas, o que prejudica a sustentação da pele.

Por isso, o ideal é evitar a exposição excessiva e utilizar sempre um bom filtro solar, lembrando-se de reaplicá-lo a cada duas horas, pelo menos. Assim, é possível prevenir-se não apenas da flacidez, mas também do envelhecimento precoce e das manchas.

Alimente-se melhor

Alguns alimentos são capazes de fazer maravilhas na pele. As frutas vermelhas, como morango, amora e framboesa, são ricas em vitamina C e cianidina, que ajudam na produção de colágeno, diminuindo a flacidez.

Outro bom exemplo é o brócolis. Rico em zinco, vitaminas A e C e luteína, ele previne o ressecamento da pele. Manter a cútis hidratada é essencial para evitar a flacidez, uma vez que a hidratação auxilia na renovação das fibras colágenas e elásticas, além de melhorar a circulação e diminuir o inchaço provocado pela retenção de líquidos.

Abandone os vícios

Nem é preciso dizer que vícios como fumar são péssimos para a pele, não é? As substâncias presentes no cigarro aceleram o envelhecimento e prejudicam as células, além de provocarem inúmeras doenças. Por isso, deixe-o de lado o quanto antes.

O álcool é outro vilão da pele. Entre seus efeitos, estão a desidratação e a oxidação, que aceleram o envelhecimento cutâneo.

O vinho, por sua vez, pode ser considerado um bom aliado, uma vez que contém resveratrol, um importante antioxidante. Mas é sempre bom lembrar: beba com moderação e bom senso, pois, em excesso, essa bebida também é prejudicial à pele e ao organismo em geral.

Exercite-se mais

Outra dica que mostra que flacidez tem solução é a prática de exercícios físicos. Para quem quer uma solução para a flacidez, uma boa escolha é a musculação. Isso porque ela fortalece as fibras musculares, além de hipertrofiá-las. E mais: a substituição da gordura por músculos deixa a pele com aspecto tonificado.

Outro benefício da atividade física é a manutenção do peso. O efeito sanfona é um dos grandes responsáveis pela flacidez, já que a variação na balança provoca o rompimento das fibras de colágeno e elastina. Assim, o melhor é encontrar seu peso ideal e manter-se nele, sem grandes mudanças.

Abuse dos hidratantes

Aplicar cosméticos hidratantes diariamente é imprescindível para quem deseja uma pele livre da flacidez. Os que apresentam melhores resultados são aqueles que contêm DMAE em sua fórmula.

Essa substância aumenta a produção de colágeno e atua diretamente no músculo, com um efeito tensor (o famoso efeito lifting). Além disso, os cremes e óleos hidratantes são particularmente interessantes para grávidas.

Isso porque, com o estiramento da pele e o ganho de peso normais dessa fase, é possível que ocorra uma indesejável flacidez pós-parto. Para evitar tal risco, as gestantes devem investir em bons produtos, que sejam aprovados pelo médico, uma vez que determinadas substâncias são contraindicadas nesses casos.

Invista em tratamentos estéticos

A evolução da tecnologia tem trazido tratamentos cada vez mais eficazes para a flacidez. Exemplo disso é a radiofrequência, que utiliza um aparelho que aquece as camadas mais profundas da pele, favorecendo a produção de colágeno. O aquecimento deve ser controlado pelo profissional (habilitado para a técnica) e bem tolerado pelo cliente.

A corrente russa é outro grande aliado na luta contra a flacidez. Sua ação é direta no músculo, promovendo um estímulo elétrico que contrai as fibras, como ocorre na prática de exercícios. Com isso, o músculo ganha tonicidade e contornos mais definidos, deixando a pele com um aspecto bonito e torneado.

Outra opção bastante eficiente para o combate à flacidez é o ácido polilático. Ao contrário dos anteriores, esse é um tratamento invasivo, que consiste na aplicação do produto sob a pele. Por atuar como um preenchedor, tal ácido oferece resultado imediato, mas também age ao longo do tempo, sendo um estimulador do colágeno.

Vale lembrar que cada tratamento tem suas contraindicações e cada pessoa apresenta necessidades especiais. Por isso, é fundamental procurar por um profissional competente e habilitado, que poderá fazer o diagnóstico correto de sua queixa e indicar os procedimentos adequados para saná-la.

Agora que você já sabe que flacidez tem solução, que tal receber mais dicas de beleza e bem-estar? Assine nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades sobre estética!

Saiba como se prevenir das doenças de pele mais comuns

Tanto as temperaturas baixas quanto as altas, podem ocasionar diversas doenças de pele. Devido a isso, a prevenção deve ser a principal arma para combater essas enfermidades, que podem colocar em risco a sua saúde e comprometer a sua aparência.

Atitudes simples podem evitar grandes transtornos, por isso é importante que você dedique-se a cuidar do bem-estar da sua pele.

Pensando em te alertar sobre esses problemas, escrevemos este artigo com o objetivo de apresentar as doenças de pele mais comuns e como preveni-las. Quer saber mais? Continue a leitura e confira!

Conheças as doenças de pele mais comuns

Para que você conheça melhor cada doença de pele, listamos abaixo as principais e explicamos como elas atuam no organismo e quais são os sintomas que cada uma pode causar. Acompanhe!

Acne

Quando os folículos da pele ficam obstruídos pelas células mortas e sebos, ocorre o desenvolvimento da acne. As bactérias que ficam localizadas nessa região geram a inflamação. Normalmente, a acne aparece nas costas, peito, ombros, rosto e pescoço.

Também existe a possibilidade do folículo abrir e escurecer, formando o que é chamado de cravo.

Portanto, é importante você saber que existem alguns fatores que podem aumentar o surgimento da acne, tais como:

  • medicamentos, como andrógenos e corticoides;
  • alteração de hormônios que estão relacionados à gravidez e métodos contraceptivos orais;
  • consumo excessivo de batatas fritas, pães, biscoitos, dentre outros alimentos ricos em carboidratos.

A acne pode deixar muitas cicatrizes na pele, principalmente, quando as lesões são grandes e profundas.

Psoríase

A psoríase é uma doença de pele que desenvolve lesões descamativas e avermelhadas. Normalmente elas aparecem no couro cabeludo, joelhos e cotovelos. Porém, é importante ressaltar que ela também pode se expandir para a região genital, assim como nas unhas, mãos e pés.

Ainda a ciência não descobriu quais são as causas da psoríase. O que se sabe até agora é que as células T (presentes no corpo do ser humano) atacam as células da pele que estão saudáveis.

Devido a isso, os vasos sanguíneos se dilatam e o número de glóbulos brancos aumenta, avançando para as camadas externas da pele, desenvolvendo as lesões avermelhadas. Essa doença só é eliminada com o tratamento adequado.

Vitiligo

Normalmente essa doença acarreta o surgimento de manchas pelo corpo inteiro. Isso porque ela provoca a perda da pigmentação da pele de maneira gradativa. Qualquer parte do corpo pode ser comprometida, inclusive, os olhos, cabelos e interior da boca.

O vitiligo não é contagioso e pode acometer qualquer pessoa, porém, torna-se mais perceptível naquelas que têm a pele mais escura.

Por mais que essa doença não coloque a sua vida em risco, ela pode afetar a sua autoestima, podendo dar chance para o surgimento de outras doenças psicológicas, como a depressão.

Existem alguns tratamentos que auxiliam a restaurar a pigmentação da pele, porém, os resultados são imprevisíveis, pois variam de pessoa para pessoa. Portanto, somente um especialista pode indicar qual é o melhor tipo de tratamento.

Dermatite atópica

A dermatite atópica desenvolve erupções que provocam coceira e apresentam crostas, as quais, na maioria das vezes, surgem atrás dos joelhos e nas dobras dos braços.

A causa dessa doença de pele também é desconhecida, mas especialistas acreditam que a combinação do mau funcionamento do sistema imunológico com a pele irritada e seca podem ser consideradas como as causas mais prováveis.

Dentre seus principais sintomas estão:

  • alterações na cor da pele;
  • inflamação ou vermelhidão ao redor das bolhas;
  • áreas espessas na pele que podem ocasionar coceiras e irritações prolongadas;
  • sangramentos ou secreções da orelha.

Saiba como preveni-las

Agora que você já conheceu quais são as doenças de pele mais comuns, é importante saber como preveni-las. Confira as dicas que separamos para você!

Consulte seu dermatologista periodicamente

Independentemente do grau da doença de pele, um dermatologista sempre deve ser consultado, pois somente ele tem o conhecimento necessário para indicar o melhor tratamento para cada caso específico.

É importante destacar que esse profissional não deve ser procurado somente quando a doença aparecer, muito pelo contrário! Se você quer preveni-la, a visita periódica ao dermatologista é o principal passo.

Ele ajudará a manter a aparência da sua pele bonita e saudável, oferecendo o melhor tratamento e indicando os melhores produtos para você utilizar.

Use protetor solar

A maioria das pessoas usam o protetor solar somente para ir à praia, mas esse é um erro muito grande. O protetor solar deve ser usado diariamente, mesmo quando você não vai ficar exposta ao sol.

O uso do protetor evitará que você sofra queimaduras, diminui as chances de desenvolvimento de sardas e manchas na pele, preservando a produção de elastina e colágeno, eliminando os riscos de desidratação e desenvolvimento de câncer de pele.

Ele deve ser aplicado, pelo menos, 30 minutos antes da exposição ao sol e sua renovação deve ser realizada a cada 3 horas.

Alimente-se adequadamente

A alimentação adequada também tem um papel fundamental para prevenir as doenças de pele. Algumas vitaminas não podem faltar na sua dieta. A vitamina C, por exemplo, neutraliza os efeitos dos radicais livres, os quais agridem o organismo e provocam o envelhecimento precoce.

A vitamina E melhora as paredes dos vasos sanguíneos presentes na pele, deixando-os mais oxigenados e irrigados.

O chá-verde também protege contra a radiação UV, pois as substâncias presentes nessa bebida agem contra o fotoenvelhecimento.

Hidrate-se

Para que a sua pele mantenha-se limpa e hidratada é importante que você acostume-se a tomar dois banhos diários.  Além disso, a ingestão de, pelo menos, 2 litros de água por dia também é essencial para manter uma pele saudável.

A água só traz benefícios para pele. Dentre os principais estão:

  • diminuição da celulite e rugas;
  • prevenção de inchaços;
  • evita o envelhecimento precoce;
  • melhora a aparência.

Seja qual for a estação do ano, os cuidados com a pele são essenciais para garantir que ela permaneça linda e saudável. Portanto, é de suma importância que você fique atenta a cada uma das dicas deste artigo e coloque-as em prática no seu dia a dia. E lembre-se: a visita ao dermatologista precisa ser constante, pois somente ele poderá identificar possíveis doenças de pele que podem prejudicar o seu bem-estar.

Gostou do nosso post? Restou alguma dúvida? Quer compartilhar suas experiências com a gente? Deixe tudo nos comentários!

Agende sua consulta